enfim, sobrevivemos.

como eu já imaginava e ele alertava, vivemos A aventura de final de ano. pra poder dizer que rolou de tudo em 2007.

porque, né, eu não sou uma pessoa camping. definitivamente. sou uma pessoa pousada familiar e tals. com ar condicionado de preferência. mas camping, bom, eu não sou.

no primeiro dia de viagem tudo o que eu conseguia pensar era no mercadolivre.com. passei horas imaginando quanto eu conseguiria na barraca e nas tranqueiras de acampamento. eu estava há mais de, sei lá, 27horas sem dormir, sendo devorada por pernilongos e borrachudos e suando em bicas. não dava pra exigir bom humor. pra completar, o tal do camping era porco E imundo. mesmo. imagine o banheiro da sua casa sendo usado por cerca de 640 pessoas (esse número é verídico) sem a mínima noção de higiene e sem ver uma limpezinha por dez dias. pois então. todos os inúmeros 9 banheiros, utilizados pelas 640 pessoas acampadas lá eram assim. porcos. e se eu já acho as pessoas do meu trabalho porcas, imagina a minha impressão daquela hippaiada toda. afe maria,

barraca armada, decidimos que só voltaríamos pra lá master cansados. pra capotar, dormir e não interagir com os hippies e seus violões toca raul.

e aí as coisas começaram a melhorar. passamos tempo demais dentro do carro, isso é fato. porque paulistano que é paulistano se não tem PRODUZ congestionamento. então passamos boa parte do tempo procurando praias mais desertas e coisas assim. não foi tarefa fácil, mas encontramos. as melhores praias da região, diga-se de passagem.

atravessamos rios, corredeiras, mata fechada e areia escaldante. mas conseguimos nos esconder dos bombadinhos e tchutchucas do litoral norte. com louvor e espetinho de queijo coalho.

na segunda-feira, antes que fôssemos pegos pelo trânsito avassalador e a chuva iminente, desarmamos as barracas e fomos pra paraty, esperar a contagem regressiva.

e paraty é aquilo né. janelas bonitas (trouxemos algumas pra você tate), gringos, aquelas ruas de pedras seculares (que me irritam horrores pra andar, hein. alô alô asfalto), NENHUMA brisa, NENHUMA praia, blablabla whyskas sache. enfim. deu pra sacar que eu não morro de amores pela cidade.

a contagem regressiva foi meio tosca. o animador (tinha um puta complexo montado pra virada) começou a cantar adeeeeus, ano veeeeelho, feliiiiiiiiz ano nooooovo, e de repente, 3, 2, 1, oi?. meio no susto. ouvi dizer que alguém lá no rio apertou o botão antes da hora. o que fez com que todo o resto do mundo também se confundisse, já que a globo transmite os fogos e essa coisa toda ao vivo.

viramos e subimos a serra. vivos e aliviados.

Anúncios

Uma resposta para “

  1. banheiro para 640 pessoas? afeeee.

    vai me dizer que deu merda? :o)

    janelas! janelas! janelas! EU QUERO. EU PRECISO.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s